domingo, 27 de fevereiro de 2011

a história de Sophie


O seu nome era Sophie. significado: a sábia. Sophie nunca gostou. sempre achou que fosse pressão demais. ela sempre dizia, " o seu nome não te faz, você faz o seu nome". ela não queria ser sábia. sabedoria é para quem merece. ela nunca achou que merecesse. ao mesmo tempo em que cantava "Highway to hell", suava dançando em seu quarto " Vogue". detestava chorar. chorar é para os fracos. mas detestava mais ainda, quando não conseguia se segurar. se trancava no banheiro ligava o chuveiro, para disfarçar, e esmurrava a parede, enquanto lágrimas desciam pelo seu rosto. motivo? há eram tantos. a líder de torcida loira que ria de seus all stars sujos. os chicletes que pregavam em sua cadeira quando ia se sentar. e a vez em que o colégio inteiro ficou sabendo que ela tirava fotos de Josh O'Maley e pregava nas paredes de seu quarto. ah o Josh. ele era tão lindo e inacessível. nem sabia que Sophie existia. na verdade não sabia até o momento da fofoca das fotos. desde então, ela era a garota "esquizofrênica". rótulos. Sophie era cheia deles. a "garota estranha", "esquisita", "assombração". mas não ligava muito. não se importava com o que achavam dela. ela era feliz assim. passava suas tardes assistindo repetidamente filmes românticos para treinar o seu primeiro beijo. ahh como sonhava com ele. esperaria escutar sinos tocando e o seu pé subiria devagar. mas ao mesmo tempo se preocupava. não era bonita. não tinha seios e nem pernas grossas. quem iria se apaixonar por Sophie? um dia decidiu colocar papel no sutiã e foi paro o colégio. Samantha percebeu e os tirou na frente de todos. lá estava Sophie chorando novamente no banheiro. mas então o tempo se preocupou com Sophie.


havia uma movimentação na casa ao lado. vizinhos novos. foi então que ela conheceu Edmund. garoto estranho. "assim como eu" pensou. Edmund usava óculos com aros enormes amarrados dos lados com arames. herança do avô. usava camiseta do Star Wars e all star sujo. sentaram no gramado da casa de Sophie e passaram a tarde conversando sobre filmes. ele com seus filmes nerds. ela com seus romances. mas não importavam. gostavam de estar alí. foi assim todas as tardes até que Sophie uma noite escutou um barulho em sua janela. abriu e lá em baixo estava Edmund. ele jogou uma pedra novamente, mas desta vez havia um papel. Sophie abriu e leu: " Quer ser minha eterna namorada?" Sophie chorou. mas dessa vez de alegria. desceu correndo e la em baixo o beijou. os sinos não tocaram, nem o seu pé se levantou. mas ela teve sensações muito melhores. seu corpo levou um choque e se arrepiou. seu coração acelerou e ela não queria que acabasse. agora ela não estava mais só.


o tempo não conseguiu aguentar muito. certa tarde Edmund não a encontrou no gramado. ela olhou para a casa dele e logo sentiu um arrepio. havia um carro na porta. um carro preto. correu até a porta e bateu. a mãe dele abriu. estava de preto e chorava. "Sophie, antes de tudo quero que leia isso" ela lhe entregou uma carta: " querida Sophie, acho que não apareci para nossa conversa dessa vez não foi? Sinto muito. sei que foi ruim de minha parte, mas não foi porque eu quiz. Enfim, você se lembra daquele dia em que fizemos um teste? passar um dia sem nos ver? Você até que conseguiu bem lembra? apesar de não querer fazer isso mais. mas agora tenho um pedido e antes de fazê-lo quero lembrar-te que te amo, que realmente te amei demais. queria que você fizese isso por nós. quero que você pegue aquele dia e multiplique por todos os dias da sua vida. sei que você conseguirá firmemente. você é forte. e aguentará mais do que se fosse eu. os homens são fracos Sophie. eu fui fraco. não posso estar mais com você fisicamente, mas estarei com você em sua memória. Seja corajosa Sophie. sou apenas um capítulo da sua vida, mas saiba que você foi a minha vida toda. Eternamente seu, Edmund"


Sophie olhou desesperadamente para a mulher em sua frente e esta a olhava com amor. " Ele morreu Sophie", " Edmund estava com câncer e partiu". Sophie não queria aceitar e então correu. correu e correu. não sabia para onde iria, só queria ficar sozinha. O que seria agora de Sophie? chorou por 5 horas seguidas, até tomar uma decisão. ela não seria mais aquela menina estranha e feia. ela seria o que um dia foi para Edmund. ela seria forte e aguentaria. ele a fez feliz, e agora ela precisava ser feliz por ele. Sophie entrou em seu quarto, foi para o banheiro e pegou uma tesoura. olhou - se no espelho. limpou a maquiagem borrada pelas lágrimas e sorriu. " isso será por você Ed" então começou a cortar o cabelo. acabar com o passado. agora ela seria a So do Ed. a menina mais bonita.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

O garoto

Eu estava rindo de mim mesma quando senti seu olhar. Eu o encarei. Você me olhou por inteira. Olhar de quem se alimenta. Passei por você, agora rindo envergonhada. Olhei para trás e você estava sorrindo para mim. Deus, como você estava lindo. Os cabelos bagunçados caiam sobre os olhos, camiseta branca, calça jeans e mãos nos bolsos.

As garotas falam de você. Elas te desejam. Elas dizem "Ah, ele é gay", talvez uma desculpa para aceitar alguém inalcançável. Eu digo " não, ele não é gay". Eu sei que não. Sinto no seu olhar. Sinto todas as vezes que agora passo por você. Pois desde aquele dia, agora sei que você existe. Agora te vejo. Você esta dentro da minha cabeça, e faz parte de meus delírios.

Hoje eu te vi novamente. Você estava conversando com seus amigos quando eu passei. Você parou de falar e me olhou. Me acompanhou com os seus olhos, enquanto rapidamente o olhei e desviei os meus. Não sei o que se passa em seus pensamentos, mas de uma coisa estou certa, foi uma troca de desejos. Seus olhos diziam tudo. Olhos de quem implora " Por favor, eu preciso do seu nome! Só o seu nome".

Nunca nos falamos. Não sei se um dia chegaremos a nos conhecer. Este ato poderia acabar com tudo. Com todo esse mistério e desejo. É gostoso passar por você e imaginar o que poderia acontecer. Te pegar sozinho ali no corredor, jogar dentro de uma sala e te encher de beijos e mordidas, sair e deixar você sem ao menos saber o meu nome. Somente o susto e a excitação.

Pensamentos. É melhor deixar tudo isso apenas assim. Deixar estar.


"Sem mais eu fico onde estou
Prefiro continuar distante..."

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

devaneios metafóricos

Valery: Eu não sei se vou conseguir Vi.
Violet: Eu também não sei Val.
Valery: Mas sabe de uma coisa? O bom é isso, não saber...se soubessemos não estaríamos assim, aqui. Você só valoriza as melhores coisas da vida, depois que você conheceu as piores.
Violet: Sabe de uma coisa Val? Você tem razão. Foda-se tudo isso. Estaremos bem amanhã, não estaremos?
Valery: Melhor do que hoje. Pode ter certeza. Vamos olhar para trás e dar risadas de tudo isso. E já é engraçado imaginar que estivemos assim por tão pouco. O que seriam dos idiotas sem os loucos? O que seriam daqueles idiotas, sem nós loucas?
Violet: Só a loucura para encarar, aguentar e sobreviver a uma idiotice.
Valery: Viu? Ainda bem que somos loucas.
Violet: E continuaremos. Está pronta?
Valery: Mais do que nunca.

Deram-se as mãos. Sorriram uma para a outra. Então pularam.
Era o começo.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Uma história de 4 - Apresentação


Esta, é uma história desventurada. Aconteceu com 4 amigos que merecendo ou não, foram as vítimas. Mas antes de contá-la a vocês, eles merecem ser apresentados.

Um, não tem nada a ver com o outro. São completamente diferentes. E mesmo assim, inseparáveis. Se conheceram na faculdade e algo os uniu. O ódio pelo curso. O mais engraçado, é que queriam ser jornalistas. Sempre quiseram. Mas foi só degustarem a primeira semana de aula, perceberam que aquilo não os completavam. Mas estarem juntos, já bastava, era o suficiente para irem àquele lugar.

Alice e Ashley se conheceram primeiro. No dia do vestibular sentaram uma ao lado da outra. Ashley duvidou que Alice passaria, pois esta estava incrivelmente desesperada ao ponte de perguntar aos concorrentes nomes, e datas que havia esquecido. Mas Ashley estava enganada. Alice era um poço de inteligência, só não achava isso. Era simpatizante do anarquismo, vegetariana e se dizia Straight edge. Movia-se por ideais, bem, isso inicialmente. Era bonita, mas não sabia disso. "Garota estranha" pensava Ashley.

Mas Ashley não era tão normal assim. Era incrivelmente, estupidamente e incessantemente, neurótica. Tudo tinha que ser, como devia ser. Por ser assim, era a "Mãe" do grupo. A ordem é necessária, não é mesmo? Ria demais. Ria tanto, que desconfiavam que ela via duendes. Tinha uma beleza particular. Nunca estava sozinha, mas não sabia lidar muito bem com relacionamentos. Eles sempre acabavam mal.

Na primeira semana de aula conheceram Jack. A primeira vista Jack viu Ashley e pensou, "Que garota estúpida". Era gay, mas Ashley demorou um pouco para descobrir isso. Tinha Madonna como diva maior, e a música pop mandava no seu ipod. Odiava todo o mundo, ou talvez, o mundo não o entendia. Era engraçado. Seus comentários sempre eram seguidos por risadas. Adorava dançar "Music" nos corredores da faculdade.

Frederic, foi o último a entrar para o grupo. Já o conheciam, mas o achavam antipático. CDF demais. Passou em primeiro lugar no curso e parecia que vivia em uma bolha. Freud, Marx, Marshall Berman entre outros o rodeavam. Talvez fosse a pilha de livros que o escondia. Era fresco, fresco demais. O que facilmente nos levava a uma conclusão: gay. Mas ninguém o conhecia de verdade. Aos poucos, foi se tornando fácil perceber, que Frederic só queria que o descobrissem, só queria ser parte de alguma coisa. Era uma ótima pessoa, engraçada e com objetivos.

Mas como já foi dito, esse grupo passará por poucas e boas. Obra do destino? Talvez. Castigo de Deus? Quem sabe. Não percam essa história, pois de uma coisa estamos certos: as melhores coisas são feitas de 4.


terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

4 a.m

P.S: A pedido de Val e Vi.


4 a.m. A campainha toca no apartamento de Will. Cambaleando, ele sai resmungando, "Quem será a essa hora?". Abre a porta.
- Rachel? O que faz aqui a essa hora?
- Olha. Quero que fique calado e me escute.
- Mas...
- SILÊNCIO! Só eu falo agora, e pode ser aqui na porta mesmo. Bem, eu odeio quando num minuto você é um doce e depois se tranforma num grosso sem escrúpulos. Odeio quando você me faz chegar nos lugares primeiro que você. Odeio quando você me ignora completamente na internet, e quando está comigo me trata como só sua. Odeio o seu cabelo. Odeio a sua falta de educação, e quando fica arrotando do meu lado. Odeio a sua mania de se achar estrela e de acreditar que sabe tudo. Odeio a sua popularidade. Detesto escutar você se gabar de coisas que mereciam o contrário. Eu não quero saber com quem você trepou. Detesto imaginar que você tem outras além de mim. E... e... eu, eu, não quero nada com você, não é nada sério, claro, E VOCÊ ME IRRITA.
- Hum, você não quer entrar, tomar um chá, e depois a gente podia brincar...sabe...
- Aceito.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Escravidão

Você já reparou que tudo o que fazemos é seguir os padrões que nos são cobrados? Se você quer ser uma pessoa normal, sim. Termo este que já é padronizado.
Você nasce. Por volta dos seus 3 anos de idade, já perguntam, "E ai? Já vai para a escola?". Então começa a maratona:
Adolescência: "Cadê os namoradinhos?"
Juventude 1: "E a faculdade? Ta gostando?"
Juventude 2: " Vai formar quando?"
Juventude 3: " Já ta estagiando?"
Juventude 4: " Não vai trabalhar não?"
Adulto 1: " ta na hora de casar né?"
Adulto 2: " E os filhos? Vão ter?"
Adulto 3: " Mas só um? Precisa de um irmaozinho não?"
Adulto 4: " Já estão cuidando da aposentadoria?"

E então você se pergunta: Quando é que eu poderia ter dito o FODA-SE?

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Momento Jack Sparrow

Nesses meus últimos dias estava procurando coisas engraçadas na internet quando me deparei com nada mais, nada menos, Jack Sparrow (opss!!), Capitão Jack Sparrow! E gostaria de compartilhar com vocês as célebres frases desse ídolo inspirador! La vai!





"Eu sou desonesto. E pode-se sempre confiar num desonesto, porque vocês sabem que ele sempre será desonesto. Honestamente, são os honestos que devem ser vigiados. Porque nunca se sabe quando eles farão algo incrivelmente estúpido."

"Até uma boa decisão, se for tomada por motivo
s errados, pode ser uma má decisão."

"Se não tivermos a chave não podemos abrir aquilo que não temos com que abrir, então do que adiantaria encontrar aquilo que precisa se aberto, e que não
temos, sem primeiro encontrar a chave que o abra?"








"Ninguém se mexe! Meu cérebro caiu."

"Parem de fazer buracos no meu navio!"

"Complicações surgiram, continuaram e foram superadas."

"Sim, eu menti para você. Eu não amo você! E é claro que
isso deixa você gorda! Eu nunca estive em bruxelas, e a
pronúncia é 'N-O-T-Ó-R-I-O', falando nisso, não, eu não
conheci Pizzaro, mas ad
oro Pizzas, e tudo perde significado
em vista do fato que meu navio partiu outra vez, SAVYY?"




"Elizabeth: Todos tem seus momentos heróicos. Você nunca sentiu
vontade de fazer algo realmente certo?
- Eu gosto desses momentos! Adoro acenar pra eles quando
passam por mim."

"Elizabeth vestida de homem: Com licença.
- Sim, filho? Gostaria de se alistar a tripulação?
Elizabeth : Não! Vim aqui à procura do homem que amo.
- Desculpe filho, meu primeiro e único amor é o mar.
Elizabeth: - Eu estava falando de Will Turner. Jack: - Elizabeth?? Escondam o rum!!.......... Querida, essas roupas não valorizam você, devia usar vestidos ou nada, pena que não tenho vestidos na cabine! "

"Ela está a salvo como eu prometi, ela vai se casar com
Norrington como ela prometeu, e você tem que morrer
por ela como você prometeu. Somos todos homens de palavra,
exceto Elizabeth, que na verdade é uma mulher. "



"Eu tenho um jarro de terra, eu tenho um jarro de terra! E adivinha o que tem dentro?"

"Elizabeth, não teria dado certo entre nós dois..."

"É só deixar vocês sozinhos por um minuto e tudo vai por água a baixo!"

"Mas por que o Rum sempre acaba?"

"Por que eu confiaria em vocês??...Quatro já tentaram me matar, e só um conseguiu."








"Esse dia será lembrado como o dia em que vocês quase capturaram o capitão Jack Sparrow!"