terça-feira, 30 de agosto de 2011

Ironia

Ela sempre assistia a vida de camarote. Não que a vida não fosse sua, mas ela simplesmente achava que aquilo tudo era uma brincadeira de muito mal gosto. As vezes fingia que a controlava. Era como num jogo de cartas, a vida com aquela carta escondida na manga, e a menina jogava fingindo que a vitória seria sua.

Quando deixou de acreditar que podia estar no controle? Tinha 8 anos. Pediu ao Papai Noel que sua mãe voltasse a andar. Acordou no dia seguinte e nada aconteceu. Foi então que seu pai disse, "filha, é a vida". Essa tal de Vida achava que era quem? Será que ela não via que a mamãe estava triste? Vida má.Quem sabe com uma carta, poderia conversar com ela e tudo estaria resolvido?

Início da transcrição

Olá Vida,

Desculpe estar te atrapalhando. Papai disse que você é muito ocupada. São muitas pessoas para tomar conta não é mesmo? Papai Noel te passou o recado? Sei que trabalham juntos...é que o meu pedido não chegou. Fiz todas as minhas tarefas do ano, não respondi a professora e não briguei com minha irmã. Quer dizer, foram algumas vezes, mas a culpa era dela. Acho que eu fui uma boa menina. Pelo menos papai me disse que sim. Sabe, pedi que minha mãe voltasse a andar. Desde aquele acidente, ela passou a ficar só naquela cadeira com rodas. Achei que ela ia achar legal, eu gosto. Coloco na rampa daqui de casa e boto ela para correr. Mas acho que mamãe é adulta né? Parece que eles não veem muita graça nessa coisas. Ela anda triste e não gosto disso. Você também é uma pessoa triste? É que são tantas pessoas tristes que eu conheço... talvez você só esteja querendo companhia. Mas olha, isso não é legal não. Eu tinha a minha gatinha Rosa e o gato Cravo. Quando o Cravo morreu, a Rosa ficou muito triste. Parou de comer e tudo o mais. Depois morreu também. Não quero isso para a minha mãe não. Tem como você voltar atras e me ajudar? Talvez se você fizesse as pessoas mais felizes, você ficaria feliz também. Acho que contagia sabe. Não vou escrever mais não, acho que já te ocupei demais. Estarei esperando,

Atenciosamente,

M.
P.S: Então, se precisar de uma ajudinha, tenho um porquinho, posso quebrar ele ta. To juntando moedas já tem um tempinho.

Final da transcrição

Esperou, um anos, dois, três. A vida não deu retorno. Passou a assisti-la de camarote. Vida má.

2 comentários:

  1. má. mil vezes má.
    t.t
    e o seu texto ficou lindinho, amiga, principalmente o começo. gostei!

    ResponderExcluir